terça-feira, 23 de junho de 2009

O ESPAÇO DENSO - O SÉTIMO ESTADO DA MATÉRIA. - ANCELMO LUIZ GRACELI

O ESPAÇO DENSO - O SÉTIMO ESTADO DA MATÉRIA.

EM QUE AINDA NÃO SE FORMOU EM ESTRUTURAS DENSAS, SEM ELÉTRONS.

SEM CARGAS. DINÂMICA QUASE EM REPOUSO. SEM PESO. DE TAMANHO ENORME [DE QUILÕMETROS].

SEM FORMATO DEFINIDO. DE BOLHAS.

E PRESSÃO INTERNA ÍNFIMA.






AS INTERAÇÕES FÍSICAS E ENERGIA É QUE DÃO A VITALIDADE AO COSMO, é através da radiação e energia que surgem novos astros, menores e com menor intensidade de interações, energia e radiação.

Assim, se tem que considerar o cosmo como uma estrutura viva, e produzindo a sua própria existência e em auto construção, onde produz a sua energia e a sua estrutura a partir de energia própria de fusões e fissões, logo o universo é vivo e auto dinâmico.



GEOFÍSICA.
As camadas do solo como também a espessura e densidade das mesmas são produtos de interações fisicas, fusões e fissões, e fundição por intensas temperaturas.


GEOFÍSICA DE INTERAÇÕES, GEOGRAFIA, GEOLOGIA.

As camadas, como o núcleo na estrutura do planeta Terra são mantidos por interações de fusões, porem, esta energia de fusões e alta temperatura no centro do planeta são expelidas constantemente para fora, só que o petróleo absorve esta impulsão e radiações.

E com a retirada deste material do interior do planeta, as interações físicas e fusões nucleares espontâneas do núcleo da Terra produzirão as erupções vulcânicas com maior intensidade, os terremotos, e a temperatura tende a aumentar, alterando a temperatura do planeta, mudando os mares e montanhas. Onde plantas tenderão a crescer, surgindo novas espécies de plantas e animais com outras resistências a altas temperaturas.
SEXTO ESTADO DA MATÉRIA.

EM QUE AINDA NÃO SE FORMOU EM ESTRUTURAS DENSAS, SEM ELÉTRONS.

SEM CARGAS. DINÂMICA QUASE EM REPOUSO. SEM PESO. DE TAMANHO ENORME [DE QUILÕMETROS].

SEM FORMATO DEFINIDO. DE BOLHAS.

E PRESSÃO INTERNA ÍNFIMA.






AS INTERAÇÕES FÍSICAS E ENERGIA É QUE DÃO A VITALIDADE AO COSMO, é através da radiação e energia que surgem novos astros, menores e com menor intensidade de interações, energia e radiação.

Assim, se tem que considerar o cosmo como uma estrutura viva, e produzindo a sua própria existência e em auto construção, onde produz a sua energia e a sua estrutura a partir de energia própria de fusões e fissões, logo o universo é vivo e auto dinâmico.



GEOFÍSICA.
As camadas do solo como também a espessura e densidade das mesmas são produtos de interações fisicas, fusões e fissões, e fundição por intensas temperaturas.


GEOFÍSICA DE INTERAÇÕES, GEOGRAFIA, GEOLOGIA.

As camadas, como o núcleo na estrutura do planeta Terra são mantidos por interações de fusões, porem, esta energia de fusões e alta temperatura no centro do planeta são expelidas constantemente para fora, só que o petróleo absorve esta impulsão e radiações.

E com a retirada deste material do interior do planeta, as interações físicas e fusões nucleares espontâneas do núcleo da Terra produzirão as erupções vulcânicas com maior intensidade, os terremotos, e a temperatura tende a aumentar, alterando a temperatura do planeta, mudando os mares e montanhas. Onde plantas tenderão a crescer, surgindo novas espécies de plantas e animais com outras resistências a altas temperaturas.

ancelmo luiz graceli

ancelmo luiz graceli

ancelmo

Quem sou eu

professor - pesquisador

Meus blogs

Membros da equipe

Theory of universe fluxonário estruturante graceli
BRAZIL physics – theory of physics - GRACELI
TEORIA DA BIOLOGIA GRACELIANA 1
teoria de biologia, astronomia.cosmo...
ASTROPHYSICS - GRACELIANA 1
SESBRAC . SOCIEDADE ESPÍRITO SANTO - BRASIL DE A
Physics – Astronomy – quarta–quinta –sexta -sétima
OITAVA TEORIA DE ASTRONOMIA GRACELIANA
FIFTH THEORY OF ASTRONOMY GRACELIANA 3
TEORIA DE LA BIOLOGIA E VITALISMO GRACELIANO
Revolução Cientifica Graceliana
Química e física –teoria della unificação por inte
GUG – GRANDE UNIFICAT. GRACELI – FÍSI- QUÍM.BIO-P
SÉTIMA TEORIA DE ASTRONOMIA GRACELIANA
teoria da cosmofísica - graceliana.
TEORIA DE ASTRONOMIA DA ENERGETICIDADE. RADIAÇÃO.
GUG – Grande Unificação Graceliana -Paralela
cosmologie e cosmofisica-grac...
theory of cosmology graceliana
TEORIA DE BIOLOGIA GRACELIANA
sexta teoria de astronomia graceliana
astronomie graceliana
quarta teoria da la astronomia graceliana
sexta teoria de astronomia graceliana
PRIMEIRA TEORIA DE PSICOLOGIA GRACELIANA
teoria di biologia e vitalsmo graceliano
Brazilian-Journa...
OITAVA TEORIA DE ASTRONOMIA ESTRTUTURANTGRAC...
Psicovitalidade e psicogênese – terceira teoria gr
astronomy theory graceliana -sétima.
ASTRONOMY-GRACEL...
THÉORIE DE BIOLOGIE GRACELIANA
TEORÍA DE LA BIOLOGÍA GRACELIANA
ASTRONOMIA DE ENERGETICIDADE, ROTAÇÃO E FLUXOS.
quarta teoria de astronomia graceliana
Química –física – GRANDE UNIFICAÇÃO GRACELIANA
ASTRONOMÍA DE LA ENERGÍA, DEL MASER, DE SECUENCIAS
Química – astroquímica – geofísica – física –micro
ASTRONOMIA DI ENERGIA, DEL Maser, DEI FLUSSI, DELL
TEORÍA DE LA BIOLOGÍA GRACELIANA
THEORY OF UNIVERSE FLUXONARY
ASTRONOMY OF ENERGY, MASER, STREAMS, VARIATIONS, R
PRIMEIRO SISTEMA FILOSÓFICO ´GRACELIANO CRACIOLÓGI
GUG - GRACELI GRAND UNIFICATION - Sinfonia Complet
FILOSOFISMO E FILOSOGIA GRACELIANA CRACIOLÓGICA
Psicovitalidade –psicogênese – terceira teoria gra
Graceli Unificação – química- física cosmofísica -
Theory of physics – GUG- GRACELI GRAND UNIFICATION
GEOFÍSICA – teoria de la atmosfísica – graceli uni
oitava teoría de la astronomia graceliana
BIOLOGIA GRACELIANA VITALISMO DIVINISMO
FILOSOFIA CRACIOLÓGICA GRACELIANA
Física – teoria de la física – grande Unificação G
autocosmo
THEORY OF BIOLOGY GRACELIANA
psicovitalidade - PSICOCRACIOLOGIA GRACELIANA
GRACELI - Desenvolve fórmulas para a Rotação.

Blogs que eu acompanho


Início | Recursos | Sobre | Buzz | Ajuda | Debater | Idioma | Desenvolvedores | Acessórios
Termos de Serviço | Privacidade | Política de conteúdo | © 1999

o espaço denso - o sexto estado da matéria.

o espaço denso - o sexto estado da matéria.

PRESSÃO PLASMÁTICA.

POIS OS PROCESSOS FÍSICOS NO NÚCLEO DAS ESTRELAS ACONTECEM COM MAIOR INTENSIDADE POR ESTAR CONFINADO COM AS CAMADAS QUE CONSTITUI O ASTRO. E SE ENCONTRA SOB PRESSÃO TÉRMICA. QUE É PRODUZIDA PELO PRÓPRIO ASTRO.

A PRESSÃO TÉRMICA É A PRESSÃO DENTRO DO ASTRO, ONDE A ATIVIDADE DE PLASMA ESTÁ COM MAIOR INTENSIDADE. OCORRE ONDE SE ENCONTRA UMA INTENSA PRODUÇÃO DE INTERAÇÕES DE ENERGIA, FUSÕES, FISSÕES, ALTAS TEMPERATURAS E RADIAÇÕES.

A PRESSÃO TÉRMICA OU PRESSÃO PLASMÁTICA É QUE NÃO DEIXA O ASTRO E ESTRELA EXPLODIREM, E QUE MANTÉM O ASTRO PRODUZINDO TEMPERATURA E LUZ POR MUITO TEMPO. E GARANTE QUE AS FUSÕES E FISSÕES SE PROCESSAM E OS ELEMENTOS SE DESENVOLVEM E SE FORMAM.

O combustível nuclear de uma estrela está relacionado com o seu confinamento, ou seja, a capa ou camada que a envolve, onde a sua temperatura é aumentada acelerando suas interações de fusões, produção de energia, radiação, aglutinação e decaimentos nos átomos.

O hidrogênio é sintetizado e produzido nos núcleos das estrelas por fusões de partículas e cargas muitos menores, por isto que o hidrogênio é um dos mais abundantes na natureza.

Uma estrela tenderá a morrer conforme este confinamento vai diminuindo, perdendo altas temperaturas e intensidade de interações e fusões nucleares.

Vê-se que antes de surgir as estrelas, surgiu primeiro a matéria, pois do contrário de que seria as estrelas, e a partir da matéria começou a surgir as primeiras formas de matéria densa, como elétrons, prótons, núcleos, que com a condensação da matéria em núcleos começou a surgir as estrelas.

Só a partir dos núcleos das estrelas surgiu as altas temperaturas e as intensas interações, dando origem as fusões, e a aglutinação de prótons, onde os elementos químicos começaram a ser produzidos e a abundancia deles.

Assim temos.

Primeiro - a matéria sem densidade, e depois com densidade.

Segundo - os núcleos das estrelas com pouca densidade, para depois se tornar com alta densidade e altas temperaturas.

Terceiro - os prótons se formam, dando inicio ao átomo, que daí surgirá os elementos leves, para depois ser produzido os pesados.

Quarto - os elementos são produtos das interações, fusões, produção de energia, de altas temperaturas dos núcleos das estrelas e da evolução e formação da própria matéria.

CONCLUI-SE assim que os elementos químicos são produzidos por interações físicas, produção de energia, fusões em altas temperaturas, num processo constante, e que os elementos estão a todo o momento se produzindo nos núcleos dos astros.

E que a diferença na quantidade dos elementos são as fases mais intensas em que se passou a natureza processual do astro, onde naquela fase houve um grande e intenso gasto de energia, seguido de um menos intenso.

E está diferença na quantidade retrata que os elementos são produtos de condições de energia e altas temperaturas que os astros já passaram e este processo continua no seu interior. E evolui fora do núcleo do astro.

Toda a matéria é produto deste processo lento e constante, inclusive os prótons e os átomos. Como também os astros e as galáxias.

UNIDADE DE PARTÍCULAS.

As partículas são na verdade uma só essência e uma só produção e é energia concentrada solidificada. O que difere uma partícula da outra é a quantidade de concentração energética em um dado momento, onde uma passa a ter um comportamento diferente e com mais intensidade e variações do que a outra.

Porem todas é uma só coisa, que é energia solidificada a partir do espaço denso, com alta intensidade de energia, luz e temperatura, como também campo próprio e radiação própria.

Assim, as partículas são uma só, a luz é uma só, e os campos um só, o que diferem é na origem e na produção com maior ou menor intensidade, e todos os fenômenos decrescem em alcance e intensidade progressivamente conforme a energia que se encontra.

Uma fusão nuclear, uma produção de alta temperatura tanto produz luz, radiação, e campos.



UNIDADE DE CAMPOS.

Os campos dão uma aparência diferente, e o gravitacional quando é medido a uma certa distancia da sua origem, longe do núcleo, onde a ação de atração está um pouco mais forte, dando uma aparência de possuir só a atração, porem, possui atração e repulsão, só que é medido e testado longe da origem que a origem é no núcleo.

O campo gravitacional é finito em alcance e intensidade por isso que ele decresce progressivamente em intensidade e alcance.

Já foi exposto neste texto que os astros estão soltos no espaço, como um satélite artificial instalado que não se precipita em direção a Terra. Pois as órbitas e dinâmica dependem da radiação do astro impulsionador no caso o Sol, e com a densidade e diâmetro do astro.

Ou seja, de sua energia, e do afastamento progressivo em que se encontra.

Pois é possível calcular todos os fenômenos dos astros.

Assim, existe uma unidade total no universo em todos os fenômenos, a mesma origem, a mesma produção, e variando apenas em essências de ser, da energia passando pelas órbitas, até as dinâmicas. E novos astros e o cosmo como um todo.

[ver material já publicado na internet [ science graceli e astronomy graceli].



O QUE PRODUZ AS CARACTERÍSTICAS DOS CAMPOS.

Vê-se assim, que existe um só campo existente num cosmo de radiação, e o que difere um campo do outro é como e onde é produzido, e a distãncia da origem em que o mesmo é medido.

Se ele for medido longe da origem será fraco e de atração, pois já perdeu parte da ação de repulsão pela radiação. É o que dá uma aparência de que a gravitação é infinita.

Porem, já é confirmada neste texto, que a dinâmica e órbitas dos astros se deve a outros fatores, é como um satélite artificial onde todos estão soltos no espaço livre.

A repulsão vence a atração próxima do produtor do campo, principalmente porque a radiação e a temperatura estão mais intensas.

Já nos astros a medição é feita com imensa distancia da origem dos núcleos, onde os campos são produzidos.

Logo, se é medido próximo da origem se terá uma repulsão e uma atração, e longe da origem se terá só uma, que é a atração.

Assim, todos os campos são finitos, e de intensidade e alcance proporcional às intensidades de interações fisicas de produção interna de energia, e de energia em que são produzidas, como a luz, a temperatura e as radiações.

O campo não é produzido por partículas, mas sim, por interações fisicas de produção de energia que ocorre no interior das partículas, fóton, ou astro em que está sendo produzido.

Assim, os campos são um só inclusive o maior, o gravitacional, e o menor o fotõnico. Uma vez que o gravitacional é intenso no interior dos astros, e fraco onde é medido, que é fora na crosta ou na atmosfera dos astros, pois todos atraem e repelem, e possuem alcance finito.

A intensidade e alcance decrescem proporcionalmente. Sendo o gravitacional intenso por ser produto de milhões de fusões nucleares naturais no núcleo dos astros.

Assim, encontra-se a unidade total e geral dos fenômenos através da energia e interações físicas.


FLUXO CÓSMICO.

O universo é fluxonário por se contrair do espaço denso para a matéria, e se expandir da matéria por radiação e altas temperaturas e produzir novos astros com órbitas irregulares no próprio cosmo.
UNIFICAÇÃO UNIVERSAL. Geral e total.

Vemos hoje que as fisicas se contrapõem, enquanto umas são contínuas, outras são descontínuas, como a quântica, a evolução dos elementos químicos e outras.

Logo é única pela teoria das interações, energia e das radiações, e que vamos de encontra a uma total unificação.

FÍSICA-PARTICULAS-ASTRO-COSMO. UNIFICAÇÃO GERAL.

Os processos físicos e interações de trocas de energia, estruturação de corpos por pólos e processos físicos produzem as partículas, os elementos e sua evolução.

E produz também os processos e evolução dos astros e do cosmo.



TEORIA DA PRODUÇÃO CÓSMICA.

Pois só esta teoria é possivel dar uma só resposta, a origem geral, a produção e a essência total e prosseguir infinitamente o processo de produção do universo, que é em si, o próprio universo, o de ser uma produção em si de si, e infinitamente.

Onde é a causa e o efeito de si, e todo efeito se tornará causa subseqüente do que vir a ser no futuro, sendo descontinuo desde a origem pelo espaço denso, e pela sua produção pelas interações internas de energia e radiação.

Esta teoria não se retrata como continua ou descontinua, mas sim é a teoria da produção pelos processos de energia.

Assim, o universo antes de ser continuo ou descontinuo, de causa e efeito, ele é produção em si e sobre si, onde o efeito é a causa do próximo fenômeno como forma, essência e produção de energia.


A UNIFICAÇÃO GERAL ACONTECE EM TODOS OS FENÔMENOS FÍSICOS, QUÍMICOS, BIOLÓGICOS, ASTRONÔMICOS E COSMOLÓGICOS.

Pois em tudo há processos e produção de energia regendo todos os fenômenos. Pois a energia do oxigênio tem função primordial na estruturação vital e no corpo do ser vivo.

Sem o oxigênio o ser não só deixa de viver, como também o oxigênio através de sua energia mantém a armação do corpo do ser vivo.

Ao retirar o oxigênio de um recipiente em que há tecidos animal, este tecido vai aumentar de tamanho. Pois o oxigênio produz pólos de atração e repulsão que aproxima e mantém a armação dos tecidos e dos corpos.

Isto acontece com outros tipos de material.

Mantém também a energia vital pelos processos produzidos pela energia do elemento químico oxigênio.

Ou seja, a vida é produzida e mantida por elementos químicos e processos físicos produzidos por estes elementos.

E que os processos produzem a energia e temperatura do corpo vital. E que tem ação e função primordial no funcionamento dos neurônios, do cérebro, da mente, da memória, da psiquê. Por isto que pessoas de idade elevada passam ter esquecimentos.

Uma pessoa com pouco oxigênio no cérebro tenderá a ter distúrbios mentais. Isto se confirma em pessoas com o crânio muito pequeno.
http://ideiasfixas2.blogs.sapo.pt/177186.html

http://muccamargo.com/category/grandes-mestres-da-fisica/