terça-feira, 23 de junho de 2009

SOBRE A TEMPERATURA.

A produção de energia produz temperatura, que produz radiação, energia cinética, e calor para o universo, formando novos elementos químicos.

UNIVERSO CIRCULANTE E INFINITO.

Vê-se que o universo é infinito tanto na sua auto produção de energia e materialização, quanto no tempo e no espaço, pois ele também é circundante, ou seja, ele circunda em volta de um ponto no espaço com rotação e translação.

O QUE DETERMINA O ESPAÇO, O TEMPO, O ESTÁGIO DE PRODUÇÃO, ENERGIA DO COSMO E SUA MATERIALIDADE SÃO A PRODUÇÃO DE ENERGIA.

Cosmo = materialidade processada e em processamento.

Ou seja, o cosmo é infinito na produção de energia e matéria, logo é infinito no tempo, espaço e produção. A matéria torna-se infinita conforme a distribuição e produção de energia no espaço e no infinito do tempo.

Pode-se provar que existe uma relação entre os fenômenos físicos, quando um aumenta a sua intensidade ou potência e todos outros acompanham esse acréscimo.

OBJETIVO DA TEORIA DA ENERGETICIDADE E RADIAÇÃO.

1- uma teoria a partir da origem do universo.
2- uma teoria única, com uma só causa e um só efeito.
3- uma teoria que alcance toda física, da micro a macro, a química e a infinitude.
4- uma teoria que todo universo esteja em harmonia, conforme a grande obra do criador – Deus.
5- uma teoria que retrate o inicio, o meio e a eternidade do cosmo, a sua causa, efeito, natureza, essência, origem, produção e continuidade.

SOBRE RACHADURAS NATURAIS EM ROCHAS SOBRE O PLANETA TERRA.

Quando uma rocha lasca parte do seu corpo, isto se deve ao acúmulo interno de temperatura quente, e quando a parte externa recebe durante a noite e dia temperatura fria, fazendo com que haja um desequilibro térmico e físico numa parte mais frágil da rocha, fazendo assim que ela se lasque nas partes externas da estrutura mais frágil. Pois com o tempo e recebimento de altas temperaturas do Sol a parte externa vai se modificando.

Em maio de 2007, num prazo de dois meses um imenso lago desapareceu das montanhas na Cordilheira dos Andes, na América do Sul. Até hoje não se sabe se foi sugado, ou evaporado.

SOBRE O RELEVO, MARES, OCEANOS, TERREMOTOS, VULCÕES E RADIAÇÃO SOBRE A TERRA.

Vê-se que o relevo e os oceanos do planeta têm haver com a produção de energia do planeta com o petróleo.

Onde tem imensa quantidade de petróleo o relevo torna-se uma depressão, pois o petróleo absorve parte da radiação do centro da Terra, fazendo com que na parte externa e próxima fica uma depressão, onde os oceanos e mares vão existir, enquanto onde não tem petróleo o relevo se forma em montanhas e picos. Pois, neste local a radiação é mais intensa e as erupções são maiores.

Com isto conclui que o relevo, os oceanos, e os continentes existem por causa da radiação e do petróleo como absorvedor da radiação. Vê-se também que a maioria dos vulcões existe nas montanhas que as produz, confirmando a teoria de interações, energeticidade e radiação.

Com a retirada do petróleo dos mares e com o passar do tempo, o relevo e os oceanos mudarão de lugar, e teremos um planeta com menos extensão de mares e com mais montanhas.

Com a retirada do petróleo a incidência de câncer tenderá a aumentar.

A tendência do planeta é o esfriamento, pois a energia tende a diminuir, porem com a retirada do petróleo, o planeta terra tende ao aquecimento, retardando o esfriamento que já se encontrava.

GEOFÍSICA.

Nos pontos de oceanos e mares as rochas são mais sólidas e tem mais material fóssil do nas montanhas impedindo a progressão da energia e temperatura que vem da energia do centro da Terra, e esta energia é liberada em outros pontos, onde é estufado com picos e montanhas, e onde os continentes se formam. Do contrário teríamos um planeta constituído de infinitas montanhas com os oceanos menores e a parte do relevo menos alta e com maior extensão. Teríamos mais mares e mais e menores continentes.

Pois a incidência da altitude do relevo tenderá a diminuir, e que o gasto pelo processo da energia do planeta o levará a produzir progressivamente menos energia, e consequentemente menos atividade tectônica. Onde teremos no futuro um planeta mais nivelado, com menos altitudes e menos depressões.

SOBRE OS CONTINENTES E OCEANOS.

Os oceanos se formam a partir da ação da energia térmica e tectônica do centro do planeta sobre as rochas que formam a crosta terrestre, sendo que onde se encontra os oceanos as rochas são mais firmes e as camadas mais compactas, e possui muito material fóssil, impossibilitando que esta energia seja liberada nas proximidades.

Ou seja, onde há muito material fóssil, este material absorve parte da radiação interna do planeta, impossibilitando que nestas partes ocorram atividades tectônicas intensas e venha surgir as montanhas.

AQUECIMENTO GLOBAL.

Os planetas desintegram energia e perdem temperatura enquanto irradiam matéria no espaço, e também se afastam do Sol, como todo secundário faz do primário, com isto tende ao esfriamento comum a todos os planetas mais afastados do Sol. Porém, com o efeito do aquecimento global a Terra receberá uma sobre vida, e aumentará o tempo de produção de vida das plantas, animais, oceanos, atmosfera, oxigênio, como também de outros gases.

Rochas super sólidas e com material fóssil = menos passagem de atividade tectônica = relevo com depressão, onde os oceanos se acomodam.

Rochas menos sólidas e sem material fóssil = mais passagem de atividade tectônica = relevo com altitude, onde os vulcões formam as montanhas e picos.

Assim, a energia interna, a consistência das rochas e o material fóssil determinam a posição e formam e profundidade dos oceanos, e as correntes marinhas e térmicas. E também as montanhas.

ATIVIDADE TECTÔNICA E AQUECIMENTO GLOBAL.

A energia produz a atividade tectônica que produz vulcões, terremotos, correntes oceânicas, atmosfera, evaporações de oceanos, variações de clima, e outros fenômenos, pois eles tendem a aumentar a sua ação com a retirada dos componentes fósseis do subsolo.

pois estes elementos são retentores e os absorvedores de radiação produzida pelas fusões e fissões naturais da Terra. Logo com a retirada dos mesmos a Terra tenderá a arder e a atividade tectônica a aumentar.
O LADO RUIM E BOM DO AQUECIMENTO GLOBAL.

Com a retirada do material fóssil o planeta tenderá a aquecer, pois a radiação do centro da Terra tende a sair com mais facilidade, uma vez que o material de absorção diminui progressivamente, com a sua retirada.

Levando o planeta ao aquecimento, mudanças nas marés, movimentos oceânicos, aumento das atividades tectônicas, e outros fenômenos, porem, naturalmente o planeta está diminuindo a sua temperatura. Assim, com este acréscimo produzido pelo homem no futuro será algo benéfico, pois prolongará a vida sobre o planeta.

AFUNDAMENTO.

Conforme o material fóssil for sendo extraído, o planeta terá mais um fenômeno, que é o fenômeno de afundamento, lagos desaparecerão, e áreas de terras afundarão. Pois faltará sustentação geológica em certas partes, e nos picos e cordilheiras já há lagos desaparecendo.

É visto que o numero de vulcões em atividades aumentaram, e furacões aumentaram em intensidade e em número.

Grande unificação graceliana por interações física e produção de energia – física, química, astronomia, cosmologia, cosmofísica.

EVOLUÇÃO DOS ELEMENTOS QUÍMICOS.
QUÍMICA E ASTROQUÍMICA
RELAÇÃO ENTRE FISICA NUCLEAR E DOS ASTROS POR POTENCIAL DE ENERGIA PROCESSADA.
TEORIA UNIFICADORA.

Autor. ANCELMO LUIZ GRACELI.

Brasileiro, professor, pesquisador teórico, graduado em filosofia.
Rua Itabira – n 5, Rosa da Penha, Cariacica, Espírito Santo, Brasil.

ancelmoluizgraceli@hotmail.com

Trabalho apresentado a SECT – ES BRASIL.
FAPES – ES . BRASIL.

Registrado na Biblioteca Nacional. Brasil.

Colaborador – Márcio Piter Rangel

DO QUASE NADA TUDO PODE SURGIR – EXCETO DEUS. POIS É O ÚNICO ABSOLUTO.

FÓRMULA DA GRANDE UNIFICAÇÃO GRACELIANA.

GUG = IFPE = FD.

GUG = grande unificação Graceliana.

IFPE = Interações físicas e produção de energia.

FD = Fenômenos diversos.

EVOLUÇÃO DOS ELEMENTOS QUÍMICOS.

Os elementos químicos se formam a partir de suas fases, uma de intensas interações fisicas, altas temperaturas, com fusões, decaimentos, fissões, e radiações, e outra a fase é o envelhecimento natural e eterno.

Estas duas fases formam os elementos chamados leves, e os chamados pesados, saindo de fases de instabilidade até fases de estabilidade nos chamados pesados, ou seja, eles se formam por processos instantâneos e evoluem por fases infinitas.

A primeira fase, a chamada fase da instabilidade ocorre principalmente no interior dos astros, aonde pode ser fundidos elétrons, átomos, hidrogênio, ferro, chumbo, tório, e outros, onde passaram por fases de radiação, e desprendimento de energia no espaço.

Os elementos químicos evoluem de leves à pesados, e dos instáveis em estáveis, e a formação maior ocorre no interior das estrelas, onde átomos soltos se aglutinam e se transformam em elementos químicos.

Assim, os elementos químicos são produtos de fases o de origem inicial, onde são fundidos inicialmente por fusões nucleares espontâneas no interior dos astros, onde átomos livres são aglutinados por intensas temperaturas e fusões nucleares, e que com o passar do tempo passam a evoluir, passam de elementos leves e instáveis, a intermediários, como ferro, neônio, silício, e outros, até aos estáveis.

SOBRE A QUANTIDADE DOS ELEMENTOS QUÍMICOS SOBRE A TERRA.

Não existe uma reta na quantidade dos elementos porque depende de fases de processamentos de energia sobre a Terra, e estes processamentos não foram lineares, com fases de maior e menor processamento e intensidade de energia.

Por isso que mesmo os elementos evoluindo, esta evolução e desenvolvimento não foram lineares, e por isto os elementos não seguem uma reta na sua quantidade sobre a Terra, uns mais abundantes que outros.

Vê-se que elementos químicos como o urânio, e o tório, com maior número atômico, existe em menor quantidade e se encontram fora de intensa temperatura, e produzem radiação.

CONCLUSÃO.

Vê-se que a abundancia dos elementos químicos não é linear, porque os elementos químicos para serem formados e evoluídos dependem de fases de intensas interações fisicas, altíssimas temperaturas, e fases de evolução.

Vê-se também que mesmo na formaçao dos planetas, obedecendo a uma progressão, ela não é linear. Por isto que os elementos precisam passar cada fase e nas condições especificas para chegar a ser o próximo elemento.

Pois a natureza não é a mesma e sempre está mudando, e vemos que a Terra que era ontem não é hoje, como também o Sol. Estão esfriando, processando e perdendo energia e radiação.

ELEMENTOS COMO HIDROGÊNIO HÉLIO, LEVES SÃO MAIS ABUNDANTES.

E LÍTIO, BORO, E BERÍLIO SEMILEVES SÃO MENOS ABUNDANTES.

E CARBONO, OXIGÊNIO, FERRO INTERMEDIÁRIOS SÃO MAIS ABUNDANTES.

E PESADOS COMO CHUMBO, TÓRIO, URÂNIO SÃO OS MENOS ABUNDANTES.

Assim, vê-se que os elementos químicos passam por fases adversas e próprias para a sua formação e isto que faz com que exista esta diferença na abundancia na escala dos elementos.

Assim, existem os elementos formados por intensa produção de energia e fusões em altas temperaturas, os instantâneos, e os evoluídos com o passar do tempo.

Como já foi citado anteriormente vemos que o brilho das estrelas está ligado a altas temperaturas e interações de fusões e de decaimentos, onde os elementos químicos são formados e evoluídos, e onde os astros são acelerados em sua dinâmica e evoluídos em sua constituição química.

PORÉM, A FORMAÇÃO DOS ELEMENTOS E SUA EVOLUÇÃO DEPENDEM DE CONDIÇÕES DE FUSÕES, FISSÕES, PRESSÃO INTERNA ONDE OS ELEMENTOS SE ENCONTRAM EM FORMAÇÃO E EVOLUÇÃO, E TEMPERATURA E RADIAÇÃO RECEBIDA EXTERNAMENTE.

Assim, tempo de vida de um astro está registrado no seu núcleo e no seu exterior. Pois é no núcleo e no exterior que os elementos são produzidos e evoluídos vagarosamente na estrutura média e externa do astro.

Vê-se que a química do universo não é produto de um só instante numa grande explosão, é produto de um processo lento de formação de aglutinação e desprendimento de átomos.

Logo se constata que o universo como um todo também é produto desta formação lenta, pois num só momento não seria possível aglutinar diversas quantidades de átomos para formar elementos químicos diversos. Assim os elementos químicos, como o universo é um processo de evolução.

Assim, o mesmo fenômeno – fusões, fissões, altas temperaturas, radiação e variação térmica - que produz os elementos químicos também produzem a dinâmica e órbita dos astros, produz campo, calor, radiação, luz e evolui o próprio cosmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário